Óleo automóvel mineral sintético

5 min

Óleo automóvel: mineral ou sintético?

Quer seja sintético ou mineral, o óleo cumpre uma função vital no bom funcionamento do motor de um automóvel, pois lubrifica as peças e arrefece e limpa todo o sistema. Daí a importância de escolher o óleo correto. Contudo, na oficina e perante a pergunta “óleo mineral ou sintético?”, a maioria das pessoas fica sem saber qual escolher. Neste artigo, explicamos-lhe os tipos de óleo que existem, as vantagens e desvantagens de cada um e quando devem ser utilizados e porquê.

Que tipos de óleos existem?

Existem três tipos principais de óleos: óleos minerais, óleos sintéticos e óleos semissintéticos.

O que é um óleo mineral?

Os óleos minerais provêm do petróleo bruto e passam por uma refinação que elimina substâncias indesejáveis e acrescenta outras vantajosas, otimizando as caraterísticas do produto base. Antigamente, o óleo mineral, apelidado por muitos de “óleo natural”, tinha diversos inconvenientes como a fácil carbonização – e consequente depósito de carvão nas câmaras de combustão e válvulas – tendência à criação de espumas, elevada perda de viscosidade a alta temperatura, baixo poder detergente, oxidação e ainda fraca proteção à corrosão.

Atualmente, graças aos aditivos, estes problemas praticamente não existem. Mas atenção: os aditivos a que nos referimos são os que os fabricantes colocam nos óleos para melhorar as suas capacidades e não aqueles que se compram nas casas de produtos automóvel ou grandes superfícies.

Os óleos minerais são mais baratos do que os sintéticos, mas degradam-se mais rapidamente. A razão para isso é que os aditivos adicionados às bases também se degradam mais facilmente. Por não terem sido tratados em laboratório, apresentam uma qualidade inferior aos sintéticos e devem ser renovados uma vez por ano.

Artigo relacionado: Como e quando mudar o óleo do carro

Espalhou-se a ideia de que o menor poder detergente do óleo mineral o torna na escolha ideal para automóveis antigos ou com elevada quilometragem, pois ao não limpar os resíduos acumulados nestes motores, previne o aparecimento de folgas que diminuem a compressão e aumentam o consumo de óleo. Ora, a verdade é que atualmente os óleos minerais já incorporam substâncias detergentes que limpam o motor.

Por outro lado, aos óleos minerais está quase sempre associada uma viscosidade mais elevada, pelo que em motores antigos, onde as folgas entre as peças são naturalmente maiores, a maior viscosidade do óleo contribui para manter a compressão do motor, evitando, simultaneamente, um excessivo consumo do mesmo.

Todavia, se é proprietário de um carro antigo e pretende um óleo de primeira qualidade, poderá optar sem riscos por um óleo sintético ou semissintético, isto desde que evite as graduações SAE (SAE é a sigla para Society of Automotive Engineers, a entidade que padroniza e classifica a viscosidade dos óleos lubrificantes para automóveis) inferiores a 15W X – no caso dos óleos sintéticos, a maioria das marcas disponibiliza produtos SAE somente abaixo dos 15W X, o que estreitará o leque de opções.

O que é um óleo sintético?

Os óleos sintéticos são quimicamente elaborados pelo homem. Os ajustes laboratoriais permitem uma maior estabilidade da viscosidade às variações de temperatura (maior índice de viscosidade sem o acréscimo de aditivos específicos), menor volatilidade (reduzidas perdas por evaporação, também a altas temperaturas) e maior resistência à oxidação e alterações em geral. São aconselhados, em especial, quando as temperaturas de funcionamento e condições de utilização dos motores são particularmente difíceis, como é o caso dos propulsores sobrealimentados de elevado rendimento e motores de competição.

Artigo relacionado: Como melhorar o desempenho de um carro a gasóleo

A maior desvantagem dos óleos sintéticos é o preço mais elevado face a um semissintético (já vamos explicar o que são) ou a um mineral, mas esse diferencial acaba por compensar se pensarmos que se trata de produto de maior qualidade que melhora a proteção do motor, bem como a potência e a vida útil do mesmo e que garante intervalos de substituição mais alargados (entre um ano e meio e dois anos).

O óleo sintético pode custar quatro a cinco vezes mais do que um mineral, pelo que muitos proprietários de automóveis com motores de baixa cilindrada optam por solução intermédia que garante boa proteção a preço mais acessível: o óleo semissintético.

O que é um óleo semissintético?

O óleo semissintético é constituído por uma grande proporção de óleo mineral e uma pequena proporção de óleo sintético, mistura que permite reduzir o preço, a maior vantagem do óleo mineral, assegurando-lhe potencialidades do sintético, como níveis de viscosidade constantes a altas temperaturas e maior resistência à oxidação e ao desgaste, permitindo utilizações sem problemas por períodos mais longos.

Qual o tipo de óleo que deve utilizar?

Se até à data tudo tem corrido bem com o tipo de óleo que utiliza no seu carro, mantenha-o. Os motores podem não reagir bem a mudanças bruscas do tipo de óleo. No caso de querer mesmo alterar, faça-o gradualmente.

Seja qual for a escolha, certifique-se de que utiliza óleo de última geração, que já incorpora uma série de aditivos benéficos para o motor.

 
Leia também:

Norma Euro 7 pode ditar o fim do motor de combustão

Motor fraco: 10 problemas comuns

Mecânica automóvel: conheça as 5 piores avarias

eyJpZCI6IjIyNDIzMjE1NDkzIiwibmV0d29ya0NvZGUiOiIxMDA3ODM3IiwiZWZmZWN0aXZlUm9vdEFkVW5pdElkIjoiNTA5MjI3IiwibmFtZSI6IkFQX0xCX1RvcCIsInBhcmVudFBhdGgiOlt7ImlkIjoiNTA5MjI3IiwibmFtZSI6ImNhLXB1Yi0zMDIzMTkxOTk4Mjg1MTk3IiwiYWRVbml0Q29kZSI6ImNhLXB1Yi0zMDIzMTkxOTk4Mjg1MTk3In0seyJpZCI6IjIwMzU2NTkwOTY3IiwibmFtZSI6IjFfU3RhbmRWaXJ0dWFsIiwiYWRVbml0Q29kZSI6IjFfU3RhbmRWaXJ0dWFsIn0seyJpZCI6IjIxNzg0MTIzODQwIiwibmFtZSI6IlNUVl9ibG9nIiwiYWRVbml0Q29kZSI6IlNUVl9ibG9nIn0seyJpZCI6IjIyNDIxODkyMzI0IiwibmFtZSI6IkJsb2dfRGVza3RvcCIsImFkVW5pdENvZGUiOiJCbG9nX0Rlc2t0b3AifV0sImFkVW5pdENvZGUiOiJBUF9MQl9Ub3AiLCJkZXNjcmlwdGlvbiI6IiIsImlzRmx1aWQiOmZhbHNlLCJpc05hdGl2ZSI6ZmFsc2UsImFkVW5pdFNpemVzIjp7InNpemUiOnsid2lkdGgiOiI3MjgiLCJoZWlnaHQiOiI5MCIsImlzQXNwZWN0UmF0aW8iOiJmYWxzZSJ9LCJlbnZpcm9ubWVudFR5cGUiOiJCUk9XU0VSIiwiZnVsbERpc3BsYXlTdHJpbmciOiI3Mjh4OTAifX0=
eyJpZCI6IjIyNDIzMjIwNDM0IiwibmV0d29ya0NvZGUiOiIxMDA3ODM3IiwiZWZmZWN0aXZlUm9vdEFkVW5pdElkIjoiNTA5MjI3IiwibmFtZSI6IkFQX01yZWNfTW9iaWxlXzEiLCJwYXJlbnRQYXRoIjpbeyJpZCI6IjUwOTIyNyIsIm5hbWUiOiJjYS1wdWItMzAyMzE5MTk5ODI4NTE5NyIsImFkVW5pdENvZGUiOiJjYS1wdWItMzAyMzE5MTk5ODI4NTE5NyJ9LHsiaWQiOiIyMDM1NjU5MDk2NyIsIm5hbWUiOiIxX1N0YW5kVmlydHVhbCIsImFkVW5pdENvZGUiOiIxX1N0YW5kVmlydHVhbCJ9LHsiaWQiOiIyMTc4NDEyMzg0MCIsIm5hbWUiOiJTVFZfYmxvZyIsImFkVW5pdENvZGUiOiJTVFZfYmxvZyJ9LHsiaWQiOiIyMjQyMTg5MTQzMCIsIm5hbWUiOiJCbG9nX01vYmlsZSIsImFkVW5pdENvZGUiOiJCbG9nX01vYmlsZSJ9XSwiYWRVbml0Q29kZSI6IkFQX01yZWNfTW9iaWxlXzEiLCJkZXNjcmlwdGlvbiI6IiIsImlzRmx1aWQiOmZhbHNlLCJpc05hdGl2ZSI6ZmFsc2UsImFkVW5pdFNpemVzIjp7InNpemUiOnsid2lkdGgiOiIzMDAiLCJoZWlnaHQiOiIyNTAiLCJpc0FzcGVjdFJhdGlvIjoiZmFsc2UifSwiZW52aXJvbm1lbnRUeXBlIjoiQlJPV1NFUiIsImZ1bGxEaXNwbGF5U3RyaW5nIjoiMzAweDI1MCJ9fQ==
eyJpZCI6IjIyNDIzNDM3Mjg3IiwibmV0d29ya0NvZGUiOiIxMDA3ODM3IiwiZWZmZWN0aXZlUm9vdEFkVW5pdElkIjoiNTA5MjI3IiwibmFtZSI6IkFQX0xCX0JvdHRvbSIsInBhcmVudFBhdGgiOlt7ImlkIjoiNTA5MjI3IiwibmFtZSI6ImNhLXB1Yi0zMDIzMTkxOTk4Mjg1MTk3IiwiYWRVbml0Q29kZSI6ImNhLXB1Yi0zMDIzMTkxOTk4Mjg1MTk3In0seyJpZCI6IjIwMzU2NTkwOTY3IiwibmFtZSI6IjFfU3RhbmRWaXJ0dWFsIiwiYWRVbml0Q29kZSI6IjFfU3RhbmRWaXJ0dWFsIn0seyJpZCI6IjIxNzg0MTIzODQwIiwibmFtZSI6IlNUVl9ibG9nIiwiYWRVbml0Q29kZSI6IlNUVl9ibG9nIn0seyJpZCI6IjIyNDIxODkyMzI0IiwibmFtZSI6IkJsb2dfRGVza3RvcCIsImFkVW5pdENvZGUiOiJCbG9nX0Rlc2t0b3AifV0sImFkVW5pdENvZGUiOiJBUF9MQl9Cb3R0b20iLCJkZXNjcmlwdGlvbiI6IiIsImlzRmx1aWQiOmZhbHNlLCJpc05hdGl2ZSI6ZmFsc2UsImFkVW5pdFNpemVzIjp7InNpemUiOnsid2lkdGgiOiI3MjgiLCJoZWlnaHQiOiI5MCIsImlzQXNwZWN0UmF0aW8iOiJmYWxzZSJ9LCJlbnZpcm9ubWVudFR5cGUiOiJCUk9XU0VSIiwiZnVsbERpc3BsYXlTdHJpbmciOiI3Mjh4OTAifX0=
eyJpZCI6IjIyNDIzMjIxMTc1IiwibmV0d29ya0NvZGUiOiIxMDA3ODM3IiwiZWZmZWN0aXZlUm9vdEFkVW5pdElkIjoiNTA5MjI3IiwibmFtZSI6IkFQX01yZWNfTW9iaWxlXzIiLCJwYXJlbnRQYXRoIjpbeyJpZCI6IjUwOTIyNyIsIm5hbWUiOiJjYS1wdWItMzAyMzE5MTk5ODI4NTE5NyIsImFkVW5pdENvZGUiOiJjYS1wdWItMzAyMzE5MTk5ODI4NTE5NyJ9LHsiaWQiOiIyMDM1NjU5MDk2NyIsIm5hbWUiOiIxX1N0YW5kVmlydHVhbCIsImFkVW5pdENvZGUiOiIxX1N0YW5kVmlydHVhbCJ9LHsiaWQiOiIyMTc4NDEyMzg0MCIsIm5hbWUiOiJTVFZfYmxvZyIsImFkVW5pdENvZGUiOiJTVFZfYmxvZyJ9LHsiaWQiOiIyMjQyMTg5MTQzMCIsIm5hbWUiOiJCbG9nX01vYmlsZSIsImFkVW5pdENvZGUiOiJCbG9nX01vYmlsZSJ9XSwiYWRVbml0Q29kZSI6IkFQX01yZWNfTW9iaWxlXzIiLCJkZXNjcmlwdGlvbiI6IiIsImlzRmx1aWQiOmZhbHNlLCJpc05hdGl2ZSI6ZmFsc2UsImFkVW5pdFNpemVzIjp7InNpemUiOnsid2lkdGgiOiIzMDAiLCJoZWlnaHQiOiIyNTAiLCJpc0FzcGVjdFJhdGlvIjoiZmFsc2UifSwiZW52aXJvbm1lbnRUeXBlIjoiQlJPV1NFUiIsImZ1bGxEaXNwbGF5U3RyaW5nIjoiMzAweDI1MCJ9fQ==

Mais artigos da mesma categoria

Prepare o seu carro para o mau tempo

Com a chegada da estação do ano mais rigorosa, apetrechamo-nos de guardas-chuvas, cachecóis e casacos quentes. Há ainda quem opte por tomar suplementos vitamínicos para…

Descubra qual a pressão correcta dos pneus

É um dilema com o qual se deparam muitos condutores, principalmente aqueles que menos ligam à mecânica de um automóvel. Mas já aconteceu a todos:…

O que fazer em caso de aquaplanagem?

A aquaplanagem é um dos principais motivos para o aumento de acidentes nos meses de inverno. Mas sabe o que deve fazer se o carro…

Como mudar o pneu do meu carro?

Está enrascado e precisa urgentemente de mudar o pneu do seu carro? Descubra neste artigo a forma mais fácil e prática de mudar os pneus…
X

Quer receber as nossas comunicações por e-mail?

Email Marketing by E-goi

É proprietário de um Stand?

Crie uma Conta Profissional