autonomia real carro eletrico

5 min

Qual é a autonomia real de um carro elétrico?

A autonomia de um carro elétrico é sempre um dos aspetos mais importantes para decidir a transição e abandonar de vez os motores a combustão. E, depois de consultado o valor anunciado pela marca, a pergunta mais frequente vai no sentido de tentar perceber qual a autonomia real, ou seja, quantos quilómetros consegue percorrer um veículo elétrico (VE) com uma carga completa até a bateria ficar totalmente descarregada. Problema: não existe uma resposta exata. Tal dependerá sempre, além do tipo de carro e da bateria que o equipa, do estilo de condução e da temperatura exterior, entre outros fatores.

Os fabricantes de automóveis lançam, regularmente, novos modelos e versões otimizadas que oferecem autonomias melhoradas, dando, assim, ao consumidor mais possibilidades para este escolher o tipo de carro que melhor se adapte às suas necessidades diárias.

Um dos fatores mais importantes no que à autonomia de um VE diz respeito, é a capacidade da bateria, medida em kWh. De uma forma muito simples, podemos dizer que quanto maior for o valor de kWh, mais quilómetros conseguirá o carro percorrer com uma carga completa.

Vai comprar um carro elétrico novo? Peça já uma proposta no Standvirtual

Ainda que, em 2009 e 2010, 160 quilómetros de autonomia com um ciclo de carga fosse considerado um bom valor, nos dias que correm é, manifestamente, insuficiente. Hoje, os novos VE conseguem percorrer distâncias entre 200 e 700 quilómetros.

Para condutores que fazem 50 quilómetros diários nas deslocações para o trabalho ou dentro da cidade, mesmo a autonomia oferecida por um citadino é suficiente para alguns dias de utilização sem ser necessário ligar o carro à corrente elétrica.

Múltiplas variáveis

A autonomia de um carro elétrico depende de vários fatores, onde se incluem a capacidade da bateria (sempre relacionada com o tamanho), a aerodinâmica do veículo, a eficiência da bateria e a temperatura exterior – sabe-se que o frio, por exemplo, tem uma ação determinante na capacidade das baterias (as perdas de autonomia podem chegar aos 30% entre carregamentos).

Artigo relacionado: Será que o frio afeta a autonomia dos carros elétricos?

Portanto, é perfeitamente normal que um VE percorra mais quilómetros com uma carga completa num dia quente de verão do que num dia muito frio de inverno. O mesmo é válido, de resto, para os veículos equipados com motor de combustão interna, nos quais o consumo de combustível é afetado por fatores ambientais, como a temperatura exterior.

As autonomias dos carros elétricos (ciclo WLTP), anunciadas pelos fabricantes de automóveis aquando do lançamento dos modelos, resultam de testes efetuados em condições específicas e ambientes controlados, cujo intuito é demonstrar o melhor que uma bateria é capaz de alcançar.

Numa utilização real, porém, nem sempre estão reunidas as condições recriadas pelos fabricantes. Até porque tal dependerá sempre do estilo de condução, do tipo de percurso e da temperatura atmosférica.

Por exemplo, a autonomia será bastante inferior em condução desportiva com ar condicionado ligado e recuperação de energia em travagem no mínimo do que em condução suave, com ar condicionado desligado e recuperação de energia em travagem no máximo.

Da mesma forma, a condução em autoestrada exige muito mais da bateria do que a circulação em cidade. Um teste interessante é percorrer alguns quilómetros em autoestrada. Por cada mil metros que percorrer, verá que a autonomia estimada no painel reduzirá quatro ou cinco quilómetros.

Fator ansiedade

Chama-se ansiedade de autonomia ao receio que o condutor tem de o carro elétrico não dispor de carga suficiente para chegar ao destino. Este fator tem sido apontado como um dos principais entraves à adesão em larga escala por parte dos consumidores aos VE. Mas será mesmo assim?

A aquisição de um carro elétrico deve estar relacionada com a utilização que se pretende dar-lhe, mais concretamente número de quilómetros percorridos por dia e tipo de trajeto efetuado. Mas pressupõe convivência com as infraestruturas de carregamento, seja em casa, no trabalho ou em locais públicos.

Dependendo do carro e da utilização, hoje já existem opções que permitem circular em cidade durante mais de uma semana sem que seja necessário qualquer carregamento. Os postos de carga rápida existentes em superfícies comerciais e autoestradas vieram facilitar a vida aos utilizadores que dispõem de modelos com esta funcionalidade.

Artigo relacionado: 6 razões para comprar um carro elétrico

Como todos os veículos, a autonomia e a eficiência dos carros elétricos dependem do estilo de condução. A velocidade é, regra geral, o fator que maior influência tem, uma vez que a pressão atmosférica e a resistência ao rolamento aumentam quanto mais rápido se circular.

E conduzir um VE não traz apenas maior consciência ambiental. Implica, também, uma mudança de hábitos de condução e convida a uma utilização mais responsável e criteriosa do próprio carro. Além de oferecer uma condução menos ruidosa e, sobretudo, bem mais descontraída.

Leia também:

Mais artigos da mesma categoria

Carregar carros elétricos: preços sobem em maio

O carregamento de um automóvel elétrico nos postos da rede pública vai passar a ser mais caro. Não porque a eletricidade vá aumentar, mas porque…

Tudo o que precisa saber para tirar a carta de mota

Seja qual for a idade, andar de mota é uma paixão para muitas pessoas. Contudo, para o fazer é necessário antes tirar a carta de…

Carros usados certificados: conheça as vantagens

A compra de um carro com donos anteriores não é isenta de risco. Afinal, sabe-se lá os tratamentos a que foi sujeito… Para minimizar as…

7 problemas que podem surgir no seu carro

Os carros, como as pessoas, necessitam de cuidados e assistência para se manterem de boa saúde e terem uma vida mais longa. Algumas situações que…
X

Quer receber as nossas comunicações por e-mail?

Email Marketing by E-goi

É proprietário de um Stand?

Crie uma Conta Profissional