historia das rotundas

5 min

História automóvel: como nasceram as rotundas?

Conhecido internamente como o “País das rotundas”, Portugal sempre teve uma relação curiosa com as mesmas. Além de estarmos há mais de sete anos à espera da introdução da primeira turbo-rotunda, temos dificuldades a adaptarmo-nos às regras.

Basta reparar nos dados pós 1 de Janeiro de 2014 – altura em que só se tornou possível circular na faixa mais à direita, caso o condutor optasse pela primeira saída. Segundo a PSP, só nos primeiros três anos foram multados cerca de 3.000 condutores por não cumprirem as regras das rotundas.

Foi a pensar nos mais revoltados e também nos mais curiosos que fomos à procura da origem. Ou seja, mais precisamente, fomos descobrir a história das rotundas e desmistificar alguns ditos.

História das Rotundas: o primeiro passo


Columbus Circle

Corria o ano de 1790, um período caracterizado pela revolução industrial e, consequentemente, uma época recheada de novas invenções. Uma delas ocorreu quando um engenheiro franco-americano, Pierre L’enfant, propôs um número de intersecções circulares em Washington, incluindo o famoso Dupond Circle.

Até hoje, pouco se sabe sobre quais seriam as regras de circulação e o porquê desta invenção – até porque foram construídas numa altura em que a utilização de carros era ainda bastante reduzida. Porém, pode-se considerar que essas intersecções são o primeiro passo rumo à criação de rotundas.

No entanto, apesar da ideia base para as rotundas ter surgido em 1790, só em 1905 é que se voltou a colocá-la em prática. Um empreendedor norte-americano, William Eno, propôs-se a um objectivo: diminuir os engarrafamentos. Para isso, criou o Columbus Circle em Nova Iorque, aquela que é considerada a primeira intersecção circular da era automóvel.

Nessa mesma década, esta inovação começou a espalhar-se para o resto do mundo. O principal país a adoptar a ideia foi a França, com particular incidência na capital, Paris.

Embora parecidas com as rotundas actuais, as intersecções circulares dessa época tinham características distintas. Apesar de, tal com hoje, existirem vários tamanhos e formatos diferentes, os “protótipos” eram, por norma, sempre extremamente largos, sendo que as entradas para as mesmas apresentavam ângulos bastante apertados, dificultando a vida a quem queria iniciar a circulação.

História das Rotundas: uma segunda tentativa

Como em todas as invenções, depois da base estar consolidada, começam a aparecer inovações. Foi exactamente isso que aconteceu com as intersecções circulares que, nos EUA, na década de 30 do século XIX, passaram a chamar-se rotaries (rotários).

Costuma-se dizer que para cada acção há uma reacção. Foi exactamente isso que aconteceu. Poucos anos antes, em 1929, havia sido inventado o sistema automático dos semáforos. Para responder ao novo sistema de regulamento de trânsito, criaram-se então as rotaries.

A grande inovação foi a introdução de ilhas separadoras entre as entradas e saídas das mesmas, com o objectivo de distinguir os dois tipos de intervenientes e evitar acidentes. Os ângulos para entrar e sair tornaram-se mais abertos, facilitando os acessos.

Porém, apresentavam uma regra que em muito se assemelha às actuais praças: tinha prioridade quem queria iniciar a circulação, o que inevitavelmente causava bastante tráfego e acidentes.

A primeira Rotunda

cedencia de passagem nas rotundas

Dado o número de acidentes, a meados do século XIX, os norte-americanos começaram a diminuir e a remover as rotaries. Mas, em 1966, em Inglaterra, decidiram pegar naquilo que a sua antiga colónia havia inventado e recriar, construindo as primeiras rotundas modernas.

Embora desenhadas de forma idêntica, os britânicos optaram por incluir uma regra nova: quem entrasse teria de ceder passagem.

Os resultados mostravam uma clara evolução. O número de acidentes diminuiu em 40% e a capacidade de circulação nas rotundas aumentou em 10%. Dado o sucesso, a ideia começou a expandir rapidamente para o resto da Europa e do Mundo.

Actualmente não há dados sobre o número oficial de rotundas em Portugal. Por outro lado e apesar da nossa fama de “País das rotundas”, na década de 90 os franceses construíam cerca de 1.000 rotundas por ano.

O futuro: Turbo-rotundas

Na década de 1990, na Holanda, deu-se o passo seguinte na evolução: as turbo-rotundas. Estas permitem que quem entre numa rotunda vá imediatamente até ao ponto de saída da mesma sem ter de se cruzar com quem circula.

Em Portugal, o Marquês de Pombal, em Lisboa, tem uma construção semelhante, mas não exactamente igual. Já na cidade estudantil de Coimbra, está programada a construção de uma turbo-rotunda junto à Estação de Coimbra-B desde 2012.

Leia também:

eyJpZCI6IjIyNDIzMjE1NDkzIiwibmV0d29ya0NvZGUiOiIxMDA3ODM3IiwiZWZmZWN0aXZlUm9vdEFkVW5pdElkIjoiNTA5MjI3IiwibmFtZSI6IkFQX0xCX1RvcCIsInBhcmVudFBhdGgiOlt7ImlkIjoiNTA5MjI3IiwibmFtZSI6ImNhLXB1Yi0zMDIzMTkxOTk4Mjg1MTk3IiwiYWRVbml0Q29kZSI6ImNhLXB1Yi0zMDIzMTkxOTk4Mjg1MTk3In0seyJpZCI6IjIwMzU2NTkwOTY3IiwibmFtZSI6IjFfU3RhbmRWaXJ0dWFsIiwiYWRVbml0Q29kZSI6IjFfU3RhbmRWaXJ0dWFsIn0seyJpZCI6IjIxNzg0MTIzODQwIiwibmFtZSI6IlNUVl9ibG9nIiwiYWRVbml0Q29kZSI6IlNUVl9ibG9nIn0seyJpZCI6IjIyNDIxODkyMzI0IiwibmFtZSI6IkJsb2dfRGVza3RvcCIsImFkVW5pdENvZGUiOiJCbG9nX0Rlc2t0b3AifV0sImFkVW5pdENvZGUiOiJBUF9MQl9Ub3AiLCJkZXNjcmlwdGlvbiI6IiIsImlzRmx1aWQiOmZhbHNlLCJpc05hdGl2ZSI6ZmFsc2UsImFkVW5pdFNpemVzIjp7InNpemUiOnsid2lkdGgiOiI3MjgiLCJoZWlnaHQiOiI5MCIsImlzQXNwZWN0UmF0aW8iOiJmYWxzZSJ9LCJlbnZpcm9ubWVudFR5cGUiOiJCUk9XU0VSIiwiZnVsbERpc3BsYXlTdHJpbmciOiI3Mjh4OTAifX0=
eyJpZCI6IjIyNDIzMjIwNDM0IiwibmV0d29ya0NvZGUiOiIxMDA3ODM3IiwiZWZmZWN0aXZlUm9vdEFkVW5pdElkIjoiNTA5MjI3IiwibmFtZSI6IkFQX01yZWNfTW9iaWxlXzEiLCJwYXJlbnRQYXRoIjpbeyJpZCI6IjUwOTIyNyIsIm5hbWUiOiJjYS1wdWItMzAyMzE5MTk5ODI4NTE5NyIsImFkVW5pdENvZGUiOiJjYS1wdWItMzAyMzE5MTk5ODI4NTE5NyJ9LHsiaWQiOiIyMDM1NjU5MDk2NyIsIm5hbWUiOiIxX1N0YW5kVmlydHVhbCIsImFkVW5pdENvZGUiOiIxX1N0YW5kVmlydHVhbCJ9LHsiaWQiOiIyMTc4NDEyMzg0MCIsIm5hbWUiOiJTVFZfYmxvZyIsImFkVW5pdENvZGUiOiJTVFZfYmxvZyJ9LHsiaWQiOiIyMjQyMTg5MTQzMCIsIm5hbWUiOiJCbG9nX01vYmlsZSIsImFkVW5pdENvZGUiOiJCbG9nX01vYmlsZSJ9XSwiYWRVbml0Q29kZSI6IkFQX01yZWNfTW9iaWxlXzEiLCJkZXNjcmlwdGlvbiI6IiIsImlzRmx1aWQiOmZhbHNlLCJpc05hdGl2ZSI6ZmFsc2UsImFkVW5pdFNpemVzIjp7InNpemUiOnsid2lkdGgiOiIzMDAiLCJoZWlnaHQiOiIyNTAiLCJpc0FzcGVjdFJhdGlvIjoiZmFsc2UifSwiZW52aXJvbm1lbnRUeXBlIjoiQlJPV1NFUiIsImZ1bGxEaXNwbGF5U3RyaW5nIjoiMzAweDI1MCJ9fQ==
eyJpZCI6IjIyNDIzNDM3Mjg3IiwibmV0d29ya0NvZGUiOiIxMDA3ODM3IiwiZWZmZWN0aXZlUm9vdEFkVW5pdElkIjoiNTA5MjI3IiwibmFtZSI6IkFQX0xCX0JvdHRvbSIsInBhcmVudFBhdGgiOlt7ImlkIjoiNTA5MjI3IiwibmFtZSI6ImNhLXB1Yi0zMDIzMTkxOTk4Mjg1MTk3IiwiYWRVbml0Q29kZSI6ImNhLXB1Yi0zMDIzMTkxOTk4Mjg1MTk3In0seyJpZCI6IjIwMzU2NTkwOTY3IiwibmFtZSI6IjFfU3RhbmRWaXJ0dWFsIiwiYWRVbml0Q29kZSI6IjFfU3RhbmRWaXJ0dWFsIn0seyJpZCI6IjIxNzg0MTIzODQwIiwibmFtZSI6IlNUVl9ibG9nIiwiYWRVbml0Q29kZSI6IlNUVl9ibG9nIn0seyJpZCI6IjIyNDIxODkyMzI0IiwibmFtZSI6IkJsb2dfRGVza3RvcCIsImFkVW5pdENvZGUiOiJCbG9nX0Rlc2t0b3AifV0sImFkVW5pdENvZGUiOiJBUF9MQl9Cb3R0b20iLCJkZXNjcmlwdGlvbiI6IiIsImlzRmx1aWQiOmZhbHNlLCJpc05hdGl2ZSI6ZmFsc2UsImFkVW5pdFNpemVzIjp7InNpemUiOnsid2lkdGgiOiI3MjgiLCJoZWlnaHQiOiI5MCIsImlzQXNwZWN0UmF0aW8iOiJmYWxzZSJ9LCJlbnZpcm9ubWVudFR5cGUiOiJCUk9XU0VSIiwiZnVsbERpc3BsYXlTdHJpbmciOiI3Mjh4OTAifX0=
eyJpZCI6IjIyNDIzMjIxMTc1IiwibmV0d29ya0NvZGUiOiIxMDA3ODM3IiwiZWZmZWN0aXZlUm9vdEFkVW5pdElkIjoiNTA5MjI3IiwibmFtZSI6IkFQX01yZWNfTW9iaWxlXzIiLCJwYXJlbnRQYXRoIjpbeyJpZCI6IjUwOTIyNyIsIm5hbWUiOiJjYS1wdWItMzAyMzE5MTk5ODI4NTE5NyIsImFkVW5pdENvZGUiOiJjYS1wdWItMzAyMzE5MTk5ODI4NTE5NyJ9LHsiaWQiOiIyMDM1NjU5MDk2NyIsIm5hbWUiOiIxX1N0YW5kVmlydHVhbCIsImFkVW5pdENvZGUiOiIxX1N0YW5kVmlydHVhbCJ9LHsiaWQiOiIyMTc4NDEyMzg0MCIsIm5hbWUiOiJTVFZfYmxvZyIsImFkVW5pdENvZGUiOiJTVFZfYmxvZyJ9LHsiaWQiOiIyMjQyMTg5MTQzMCIsIm5hbWUiOiJCbG9nX01vYmlsZSIsImFkVW5pdENvZGUiOiJCbG9nX01vYmlsZSJ9XSwiYWRVbml0Q29kZSI6IkFQX01yZWNfTW9iaWxlXzIiLCJkZXNjcmlwdGlvbiI6IiIsImlzRmx1aWQiOmZhbHNlLCJpc05hdGl2ZSI6ZmFsc2UsImFkVW5pdFNpemVzIjp7InNpemUiOnsid2lkdGgiOiIzMDAiLCJoZWlnaHQiOiIyNTAiLCJpc0FzcGVjdFJhdGlvIjoiZmFsc2UifSwiZW52aXJvbm1lbnRUeXBlIjoiQlJPV1NFUiIsImZ1bGxEaXNwbGF5U3RyaW5nIjoiMzAweDI1MCJ9fQ==

Mais artigos da mesma categoria

Entrevista a Filipe Albuquerque – Piloto Profissional

Filipe Albuquerque dispensa apresentações. É um dos melhores pilotos portugueses da atualidade, com uma carreira cheia de vitórias e que já passou por imensos campeonatos…

Foi vítima de burla automóvel? Saiba o que fazer

Seja numa compra num stand ou a um particular, há sempre a possibilidade de se ver perante uma situação pouco agradável de burla automóvel, em…

Renault e Dacia juntam-se à Volvo e limitam os carros a 180 km/h

Há uma nova estratégia assumida pelo fabricante francês, na qual as responsabilidades ambiental e social ganham uma nova dimensão. O plano, designado de Renaulution, pretende…

Perdi os documentos do carro: e agora?

Os documentos do carro são tão importantes para a viatura, como o cartão de cidadão para a pessoa. Infelizmente, perder os documentos do carro é algo que…
X

Quer receber as nossas comunicações por e-mail?

Email Marketing by E-goi

É proprietário de um Stand?

Crie uma Conta Profissional