Os 10 carros de F1 que mais renderam em leilão

6 min

Os 10 carros de F1 que mais renderam em leilão

Não é para o bolso de qualquer um, mas faz parte do sonho de muitos: possuir um veículo de Fórmula 1, sobretudo um que já tenha sido pilotado pelos mais destemidos e talentosos condutores de velocidade, com História e histórias em cada curva da carroçaria e tecnologia única dentro daquele motor.

É certo que não será um carro para fazer a IC19 ou a Estrada da Circunvalação do Porto, mas é algo para se admirar numa redoma gigante, numa garagem milionária e desfrutar no circuito certo, se houver dinheiro para alugar (ou mesmo ter) esse espaço. Mas, convenhamos, quem tem dinheiro para comprar um carro de Fórmula 1, também terá para isso.

10 carros de F1 que alcançaram os valores mais elevados de sempre em leilão

10.º Brabham BT33 de 1970 – 898.977€

Brabham BT33

Nada de muito dispendioso, não é? O pior é o consumo aos 100km. Mas é verdade que este carro do nobre britânico sir Jack Brabham foi vendido por quase 900 mil euros com três campeonatos no lombo e uma vitória, no GP da África do Sul. Este foi o carro que ele usou na sua última corrida de sempre e é uma peça notável de design e beleza, tendo sido o primeiro F1 construído pela Brabham com monobloco. 

9.º Benetton B191 de 1991/2 – 1.085.727€

Benetton B191

Este foi o último carro de F1 de sempre que o tricampeão mundial Nelson Piquet conduziu. Desenhado por John Barnard e Mike Coughlan, o carro fez a sua estreia no Grande Prémio de San Marino de 1991 e terminou a temporada com uma vitória: no GP do Canadá, em 1991, Piquet beneficiou de uma falha elétrica do carro de Nigel Mansell, a correr pela Williams-Renault, precisamente a meia volta da meta.

Artigo relacionado: A história da Fórmula 1 em Portugal

Aos seus comandos, sentaram-se ainda Roberto Moreno, Martin Brundle e o inigualável Michael Schumacher. Mais do que uma beleza, trata-se de um verdadeiro pedaço de História e, acreditam os colecionadores, vale cada cêntimo. E são muitos. 

8.º Jordan 191 de 1991 – 1.500.454€

Jordan 191

Criado por Gary Anderson para ser utilizado na estreia da Jordan Grand Prix nas pistas da prova rainha do automobilismo, em 1991, no GP dos Estados Unidos. E, curiosamente, também foi comandado pelo alemão Michael Schumacher, ainda a dar os seus primeiros passos. Outros pilotos reconhecidos foram o belga Bertrand Gachot, o brasileiro Roberto Moreno e os italianos Alessandro Zanardi e Andrea de Cesaris – este último conseguiu o melhor resultado do monolugar: dois honrosos quartos lugares no Canadá e no México.

7.º – Ferrari 126 C2 de 1982 – 1.848.354€

Ferrari 126 C2

Este é o último sobrevivente do modelo ultrapotente, que acabou por ficar para a história por diversos motivos. Primeiro, foi a estreia da Ferrari nos motores sobrealimentados, o que originou um tumulto entre os vários construtores (a ponto de as equipes inglesas boicotarem a corrida em Imola) e também com a FIA.

Por outro lado, ficou marcado pela tragédia. Na qualificação final para o GP da Bélgica, o canadense Gilles Villeneuve bateu na traseira do carro de Jochen Mass a cerca de 220 km/h, desintegrando-se depois de um “voo” de mais de 100 metros. Villeneuve, manteve-se preso ao banco, tendo sido projetado.

O piloto ainda foi levado para o hospital, mas o óbito confirmou-se nessa noite. Três meses depois, no GP da Alemanha, nos treinos livres, Didier Pironi teria um acidente muito similar, contra a traseira do Renault de Alain Prost. O piloto francês sofreu múltiplas fraturas nas pernas, pondo um ponto final na carreira na F1.

6.º Williams FW14B de 1992 – 3.241.675€

Williams FW14B

Este foi o carro que ajudou Nigel Mansell a vencer, finalmente, o campeonato do mundo de pilotos, tendo a Williams conquistado o campeonato de construtores. O FW14B era, na época, um dos carros mais tecnologicamente avançados no mundo da F1, com suspensão ativa, controlo de tração e travões antibloqueio. Desenhado por Patrick Head e Adrian Newey, chegou a ser descrito como um “carro de outro planeta”.

5.º McLaren MP4/8 de 1993 – 4.561.481€

McLaren MP4-8

Eis o modelo da McLaren da temporada de 1993, tendo sido pilotado por Michael Andretti, Mika Häkkinen e Ayrton Senna, e chegava com launch control, controlo de tração, acelerador drive by wire, suspensão ativa e travões ABS.

Artigo relacionado: Conheça os carros preferidos das famílias reais

Tudo junto terá ajudado Senna a ganhar cinco GP e, pelo caminho, ainda ter conseguido outros feitos que valem a pena ser recordados: no GP da Europa, fez a melhor primeira volta da história da Fórmula 1, conquistou o recorde de vitórias no GP do Mónaco (6) e ainda contabilizou a sua 40.ª vitória (no GP do Japão). Porém, não chegou para ser campeão, título conquistado nessa temporada por Alain Prost.

4.º McLaren MP4/25 de 2010 – 5.763.349€

McLaren MP4-25

Outro carro envolto em polémicas: Ferrari e Red Bull questionaram a legalidade da asa traseira assim como a cobertura do motor, que influenciaria a performance. Mas a FIA terminou com a celeuma aprovando o modelo. E em bom tempo: rendeu duas vitórias a Jenson Button, no GP da Austrália e no GP da China, e três a Lewis Hamilton, nos GP da Turquia, Canadá e Bélgica.

3.º Ferrari F2002 de 2002 – 6.000.275€

Ferrari F2002

O carro projetado pelo sul-africano Rory Byrne servido por um motor desenvolvido por Paolo Martinelli (que chegava a 19 mil rotações por minuto!) é uma obra-prima e os seus resultados falam por si. Foi aos seus comandos que Michael Schumacher se afirmou pentacampeão, numa situação única: o título foi confirmado quando ainda faltavam cinco corridas.

2.º Ferrari F2001 de 2001 – 6.599.413€

Ferrari F2001

Não era tão evoluído como o anterior, mas acabou por ser mais valorizado. Foi o antecessor do F2002 e com ele Michael Schumacher conquistou o seu quarto título, além de a Ferrari se ter sagrado campeã entre os construtores pela 11.ª vez. Com o chassis número 211, o veículo era servido por um V10 de 3.0 litros, que seria capaz de debitar cerca de 900 cv de potência.

1.º Mercedes-Benz W196R de 1954 – 23.521.741€

Mercedes-Benz W196R

Mais de 23 milhões de euros por um carro que, acreditam os colecionadores e entendidos, nem tem preço: o Mercedes-Benz com que Juan Manuel Fangio conduziu nos seus segundo e terceiro títulos da F1, em 1954 e 1955.

Criado para cumprir as novas regras da CSI (a FIA de então), foi o desespero dos concorrentes naquelas duas temporadas. De estrutura tubular, leve e robusta, contava com um motor de oito cilindros em linha com injeção direta e controlo de válvulas para potência entre os 256 cv, em 1954, e os 290 cv, no ano seguinte.

Leia também:

Mais artigos da mesma categoria

A história do Volkswagen Pão de Forma

Bulli na Alemanha, Kombi no Brasil ou Pão de Forma, como foi carinhosamente alcunhada em Portugal, a Volkswagen Type 2 nasceu para servir na década…

Hidrogénio: a fonte de energia da discórdia

Enquanto algumas marcas recusam determinantemente a ideia de o hidrogénio vir a ser uma possibilidade para a indústria automóvel, outras não se inibem de avançar…

Recolher obrigatório: em que situações pode andar de carro?

O país entrou, a 9 de novembro, em estado de emergência, com recolher obrigatório decretado nos 121 concelhos onde o vírus parece estar mais ativo…

SUV elétricos que vão ser lançados em 2020

O segmento dos SUV tem vindo a crescer exponencialmente, com os clientes a preferirem esta solução de aspeto robusto que prima por uma posição de…
X

Quer receber as nossas comunicações por e-mail?

Email Marketing by E-goi

É proprietário de um Stand?

Crie uma Conta Profissional