O plano italiano para continuar a produzir carros a gasolina

4 min

O plano italiano para continuar a produzir carros a gasolina

O plano europeu é simples: a partir de 2035, acaba a produção de automóveis servidos por motores de combustão, sejam estes a gasóleo, gasolina ou gás, ou mesmo híbridos, apoiado nalgum tipo de eletrificação. A ideia é, claramente, proteger o ambiente, minimizando os danos de exploração petrolífera e emissões poluentes, já que o objetivo passa por limitar o aquecimento global a 1,5 graus acima dos níveis pré-industriais até 2050. Mas não agrada a muitos e, muito especificamente, a um país.

A Itália quer uma espécie de regime de exceção e está em conversações com a União Europeia para que os construtores italianos dos “supercarros” continuem vivos e de saúde na estrada, com a Ferrari e a Lamborghini na árdua tarefa de “mexerem cordelinhos”. Por um lado, dizem apoiar o compromisso europeu, mas, por outro, apoiam-se no ministro italiano para a Transição Ecológica, que defende a preservação de um nicho para construtores de luxo que vendem em menor número.

No entanto, estes automóveis, por terem motores muito mais potentes, têm níveis de emissões de gases e partículas muito superiores à média. Só que estamos a falar de 11.090 carros por ano (ou, pelo menos, foi esse o número de vendas das duas marcas referidas em 2021). E é muito nisso que se apoiam para pedir esta manutenção de produção.

Artigo relacionado: Os carros mais rápidos de sempre

Ainda assim, ninguém parece disposto a arriscar. E, com receio do futuro, as duas marcas já anunciaram planos para o lançamento de carros elétricos: a Ferrari prepara-se para apresentar o seu primeiro 100% elétrico em 2025, enquanto a Lamborghini aponta para 2027 ou 2028.

Mesmo assim, o ministro italiano Roberto Cingolani, continua na senda de tentar proteger aquelas marcas, insistindo que vão ter dificuldade em implementar a energia elétrica na frota, tanto mais que Itália não é autónoma na produção de baterias. No fundo, o governante pede mais tempo.

Os supercarros elétricos

Tanto a Lamborghini como a Ferrari olham de lado para motores elétricos por motivos compreensíveis no que toca às exigências desportivas, sobretudo ao nível da dinâmica, já que potência e aceleração não são um problema, e a autonomia é cada vez menos um empecilho.

Mas aquela sonoridade do motor a combustão, que alguns elétricos já tentam reproduzir, é única, e música para os ouvidos de muitos.

Mas há um detalhe importante que não passou despercebido aos ativistas ambientais italianos: Cingolani foi nomeado diretor não-executivo no conselho de administração da Ferrari, em 2020, tendo renunciado à posição, no ano seguinte, para assumir precisamente a pasta da Transição Ecológica no executivo de Mario Draghi.

Artigo relacionado: Os carros elétricos mais potentes do mercado

Os ativistas e a oposição acusaram a existência de um conflito de interesses. E a reação de Cingolani não serviu para pôr água na fervura, apelidando o “extremismo ideológico” de alguns ativistas muito pior para a “catástrofe ambiental”.

Rivais reclamam justiça

Quem também não gostou deste “pedinchar” italiano, foram as restantes marcas. Construtores como a Porsche já disseram, publicamente, que todos têm de contribuir. Até porque a mensagem que o Governo italiano transmite é ofensiva, alegam, já que defende que quem tem dinheiro para comprar um Ferrari, pode contornar as regras mundiais e conduzir um veículo movido a combustão.

Abrir uma exceção desta natureza, dizem os críticos, é deixar entreaberta a porta para que outros exijam o mesmo, como veículos desportivos. Mas há um argumento de peso: os postos de trabalho que passam a estar ameaçados, receando-se o fecho de portas de algumas pequenas e médias empresas que dependem da construção automóvel em Itália, que representa 7% do PIB do país.

Claro que há o outro lado da moeda: a eletrificação e a reconversão das empresas vão obrigar a uma expansão do corpo laboral, responsável pelas baterias e componentes destas. Algo a que o ministro Cingolani está atento, tendo, em paralelo, anunciado a criação de uma giga-fábrica, considerando importante que “a Itália ganhe autonomia na produção de baterias de alto desempenho”.

Leia também:

Mais artigos da mesma categoria

Grupo de ativistas pelo ambiente processa a BMW e a Daimler

As emissões de gases poluentes que agravaram as alterações climáticas nos últimos tempos são a causa pela qual a organização não governamental alemã Deutsche Umwelthilfe…

A história da Cupra

A Cupra como marca é um bebé com menos de quatro anos. Mas, antes de ser um emblema, já era um modo de vida e…

10 motos que pode conduzir com carta de carro

São cada vez mais os condutores de automóveis que procuram novas soluções de mobilidade pessoal, nomeadamente motos que possam conduzir com carta de carro, para…

Como tirar as nódoas dos estofos do carro

Não será necessariamente por descuido, mas, mesmo com todas as atenções do mundo, é muito provável que, mais dia menos dia, tenha de tirar nódoas…
X

Quer receber as nossas comunicações por e-mail?

Email Marketing by E-goi

É proprietário de um Stand?

Crie uma Conta Profissional