hyundai i20

6 min

Hyundai i20 – O melhor “carro barato” que podes comprar?

A 3ª geração do Hyundai i20 já chegou ao mercado e está mais barata, mas muito melhor que a anterior, não só em termos dinâmicos, mas sobretudo a nível de equipamento de série. Em mais um ensaio do Standvirtual mostramos-te porque é que esta é provavelmente a opção mais honesta dentro do segmento B.

No segmento mais vendido em Portugal e onde imperou o Renault Clio e onde agora domina o Peugeot 208, não é fácil lançar uma proposta que dê nas vistas, por isso a Hyundai apostou forte em 3 premissas muito valorizadas pelo público europeu: Criar um visual jovem e dinâmico, diminuir o preço e atolar o i20 com a maior lista de equipamento e sistemas de segurança de série do seu segmento;

Se é verdade que a primeira premissa, a da estética, será sempre subjetiva, as restantes duas, são factuais. E no capítulo estético, a Hyundai esforçou-se por incorporar vários pormenores de design que tornassem este i20 bastante mais interessante do que o modelo anterior, sobretudo recorrendo a entradas de ar generosas, linhas dinâmicas no capot, na lateral e nas óticas traseiras, que seguindo a tendência atual do mercado automóvel, aparecem unidas por uma barra refletora, e até, um pequeno difusor traseiro que faz muito mais pela estética do que pelo funcional.

No entanto, e como a estética pode ser um fator de decisão para quem compra um automóvel, o melhor mesmo é não julgar o i20 à primeira vista e conhecer ao pormenor o que oferecem os sensivelmente os 15.000€ que custa este pequeno urbano.

Encontra o teu Hyundai i20 no Standvirtual

Análise Interior

Interior Hyundai i20

E levantado que está o véu sobre o preço do Hyundai i20, que começam nos 14.950€ e que se estendem até aos 18.500€ para a versão mais cara, é importante explicar porque é que consideramos esta, talvez, a proposta mais honesta do segmento.

Em termos de dimensões, é pouco o que difere este carro, por exemplo, de um Peugeot 208 que é neste momento o carro mais vendido em Portugal. O espaço não abunda, mas é suficiente para 4 adultos fazerem uma viagem de curta duração com razoável conforto. Afinal de contas, os urbanos não são talhados para longo curso, e embora em vários aspetos este i20 seja muito competente, ao fim de algumas horas aqui sentados os bancos podem começar a dar sinal de si.

Lá atrás, na bagageira, existem 351L de capacidade, e conseguimos facilmente transportar 2 bagagens de cabine e mais algumas mochilas, sendo até uma volumetria bastante razoável.

Mas onde verdadeiramente este carro impressiona é na lista de equipamento:

  • Computador de bordo com ecrã “Supervision Cluster” de  
  • 10,25′ policromático 
  • Integração de smartphone Apple Carplay e Android Auto 
  • Jantes em liga leve de 17” 
  • Luzes de circulação diurna em LED 
  • Sensor de chuva (Limpa para-brisas de ativação automática) 
  • Seletor de modo de condução 
  • Ar condicionado automático 1 zona com sistema de  
  • desembaciamento automático 
  • Sistema de Manutenção à faixa de rodagem (LKA) 
  • Travagem Autónoma de Emergência (FCA) 
  • Câmara de auxílio ao estacionamento traseira 
  • Sensores de estacionamento traseiros 

É certo que esta a versão ensaiada era a mais equipada de todos os Hyundai i20, mas mesmo que comprem a versão de entrada na gama, é pouco aquilo que perdem a nível de equipamento, pois as mudanças são maioritariamente na estética. Mantêm-se as ajudas à condução, Apple CarPlay e Android auto, e até mesmo os dois ecrãs digitais: o cluster e o infotainment.

Mas claro que nem tudo é perfeito, e o i20 não podia ser apenas maravilhas. É que em termos de qualidade de construção e de materiais, o i20 é provavelmente um dos menos requintados do seu segmento. Abundam os plásticos mais rijos, e faltam algumas coisas que podes considerar essenciais no teu próximo carro e que deves saber, como por exemplo, o volante não tem ajuste em profundidade, o que pode dificultar a conseguires a posição de condução ideal, e o volante do passageiro não tem regulação em altura, por isso o teu amigo ou amiga mais alta pode não achar lá muito confortável uma viagem aqui no lugar do pendura, sobretudo em estradas mais sinuosas.

Mas para compensar esse fator, este i20 oferece-te uma dinâmica de condução brutal, que mais do que o preço e do que o equipamento de série, foi na verdade aquilo que mais nos surpreendeu neste carro. 

Configura o teu próximo Hyundai i20

Condução

Hyundai i20

Só para apimentar as coisas, importa não esquecer que existe no mercado a versão N deste modelo, e que está equipado com o 1.6TGDi de 204cv e 275Nm de binário, o que significa que este chassis está preparado para muito andamento…

Mas neste caso, felizmente para os consumos, infelizmente para a diversão, o Hyundai i20 em ensaio estava equipado com o motor tricilindrico 1.0 de 100cv e 175Nm de binário, que são já suficientes para garantir um bom andamento a este carro, acelerando dos 0 aos 100km/h em menos de 10 segundos e garantido-lhe um peso pluma.

Ora, esse peso pluma e os pneus 225 de largura nesta jante 17’’ garantem que podemos curvar com máxima confiança. Há aqui claramente um pedigree de rally neste carro, não fosse este o modelo campeão do mundo do WRC.

Sobretudo quando colocado no modo Sport, a direção fica bem firme e bem precisa, e é um gosto conduzir este carro em estradas sinuosas.

Sentados ao volante, perdemos um pouco a sensação de que este é um carro urbano. A forma saliente das portas, a vista que temos sob o volante, e a excelente insonorização faz-nos sentir que estamos ao volante de algo mais robusto e bastante mais largo, mas a firmeza dos bancos, a falta de um apoia braços central, e sobretudo, o depósito com pouca capacidade, não tornam este o modelo ideal para longas viagens. 

Com consumos a rondar os 6L a cada 100km, o depósito é apenas capaz de percorrer 500km, sensivelmente, entre abastecimentos.

Para além deste 1.0 de 100cv, que pode estar equipado com caixa manual de 6, ou Auto de 7 DCT, ainda exitem o bloco 1.2 atmosférico de 84cv, que equipa a versão mais barata do i20, mas que é um motor pouco aliciante, quer em termos de consumos, mas sobretudo, em termos de andamento. 

 

Mais artigos da mesma categoria

Review BMW 116d (2021): o que mudou com a tração dianteira?

A 3ª geração do BMW Série 1 perdeu a tração traseira que tanto o caracterizava, mas ganhou argumentos em muitas outras frentes. Mas será este…

Review Nissan Leaf (2018)

Se alguém lhe disser que é possível percorrer quase 100kms com 1,5€ de ‘combustível', acredite porque é verdade!   Esta é a segunda geração do…

Review VW Passat Variant (2018)

Se é detentor de uma estatura acima da média, tem pelo menos 3 filhos e necessita de uma bagageira realmente grande porque vai 2 semanas…

Review SEAT Leon (2017)

O SEAT Leon 1.6Tdi é umas das escolhas principais entre os motoristas das novas plataformas de transporte em veículo descaracterizado como Uber ou Kapten e,…
X

Quer receber as nossas comunicações por e-mail?

Email Marketing by E-goi

É proprietário de um Stand?

Crie uma Conta Profissional