6 min

Ao volante do Audi A1 Allstreet: Pronto para a “selva urbana”

O Audi mais pequeno e aventureiro tem um novo nome, mas continua a oferecer o mesmo equipamento, opções de personalização e de motorização que o anterior A1 Citycarver lançado em 2019. Tão atual como sempre, o novo A1 Allstreet estreia uma nova nomenclatura na família Audi, inspirada pelo sucesso dos SUV e dos crossover, e ambiciona ser um citadino premium pronto para enfrentar os obstáculos da selva urbana.

O Audi A1 não terá sucessor, facto já confirmado pelo CEO da Audi, e apesar dos números de vendas serem satisfatórios, os modelos mais modestos da Audi raras vezes deixaram saudade. Mas o A1 Allstreet, por ambicionar ser mais do que um mero citadino, poderá ser o elemento para despedir o A1 com “chave de ouro”, algo que deverá ocorrer no final de 2026.

Na segunda geração, o Audi A1 abandonou por completo a configuração de 3 portas, e passa também a estar disponível numa nova versão Allstreet, que acresce, às reconhecidas qualidades do modelo alemão, uma imagem mais aventureira, conferida por uma espécie de camuflagem específica, além de 4cm adicionais de altura ao solo, para facilitar as subidas aos passeios e pequenas incursões fora de estrada.

Detalhes que tornam este A1 mais aventureiro em tudo semelhante a um elemento Allroad da família Audi, mas a marca alemã passará a utilizar a nomenclatura Allstreet, estreada neste A1, em modelos de apenas 2 rodas motrizes, como será também o caso do renovado Audi A3, mantendo o Allroad apenas para os modelos equipados com o sistema quattro.

Interior

No interior, praticamente nada nos diz que este é um A1 Allstreet, exceto um pormenor que apenas quem tenha estado dentro do modelo mais tradicional será capaz de reparar: o banco está colocado numa posição ligeiramente mais elevada, oferecendo assim uma posição de condução mais ao encontro de um crossover.

Tudo o resto, e apesar de representar o acesso ao mundo Audi, está aqui bem expresso o bom gosto que a marca alemã aplica nos seus produtos, sendo o interior do A1 muito semelhante aos restantes modelos, desde o excelente sistema de infoentretenimento, ao painel de instrumentos digital com muito bons grafismos e leitura, e de certo modo, também à qualidade, que embora confesse, em algumas zonas fique um pouco aquém do que esperamos num produto premium, ainda assim, se apresenta com forte robustez de montagem e a ausência de ruídos parasitas, mesmo em estradas mais degradadas.

O espaço disponível também impressiona neste A1 Allstreet. Os pouco mais de 4 metros de comprimento proporcionam espaço suficiente para 4 adultos, e a bagageira tem 335 litros em ambas as versões do A1, um valor muito interessante que o coloca muito à frente do seu principal concorrente, o Mini.

Tal como é apanágio nas marcas premium alemãs, optando pela versão mais básica, o Audi A1 poderá ficar algo “despido”, por isso a adição do Pacote Interior S Line, que inclui os bancos desportivos em pele e tecido, bem como elementos decorativos em cinzento e forro do tejadilho em preto, é crucial para elevar o interior deste segmento B ao patamar que ambiciona.

A Audi, de resto, permite uma elevada personalização na configuração para que o A1, e os seus modelos no geral, assentem que nem uma luva a cada cliente. Por isso, são opcionais, por exemplo, o Pacote Essencial, que integra o Audi Smartphone Interface, permitindo utilizar o Apple Carplay e Android Auto no sistema de Infoentretenimento, ou pacotes como Chave Comfort e Cruise Control Adaptativo.

Cabe a cada um na altura de configurar o seu Audi A1 decidir se estes itens são ou não essenciais no seu dia-a-dia, tendo sempre em consciência que cada um deles pode custar várias centenas de euros, e tudo somado pode fazer rapidamente escalar os valores deste citadino.

Ao volante

Nascido sob a plataforma MQB A0, e primo do VW Polo, Seat Ibiza ou Skoda Fabia, ao volante, e embora com comportamentos em estrada muito distintos, fruto do centro de gravidade mais elevado, o Audi A1 transmite boas sensações, mostrando uma boa dinâmica e reações precisas, bem como uma capacidade de rolar sem quaisquer problemas em distâncias mais longas.

O acerto e o pisar da suspensão mais permissivos e a excelente insonorização acústica são mesmo o principal destaque na condução deste citadino, e que claramente o diferenciam dentro do segmento.

O motor com 999cm³, o único disponível no A1, que abandonou por completo as motorizações diesel, não é um poço de força, mas está em linha com o que podíamos esperar de uma proposta como esta, oferecendo o pulmão necessário para levar o A1 até à velocidade cruzeiro de auto-estrada com relativa rapidez, ou fazer rápidas ultrapassagens em estradas secundárias.

Está disponível com dois níveis de potência: 25 TFSI com 95cv ou este 30 TFSI com 116cv, disponível com a transmissão automática S tronic de 7 relações que, na maior parte das vezes, ajuda este tricilindrico a trabalhar no melhor regime possível. A versão com caixa manual de 6 velocidades apenas está disponível na versão com 95cv.

Quanto aos consumos, no nosso ensaio, estes não foram muito conclusivos, sendo a unidade ensaia praticamente nova, com o motor ainda em rodagem. Ainda assim, registamos valores de 6.8L/100km, quer em circuito misto, quer em auto-estrada, sendo valores que potencialmente deverão descer para a casa dos 6.5L/100km numa condução despreocupada, não ficando muito distantes daqueles anunciados pela marca.

Preços

Os preços do Audi A1 começam nos 25.703€ na versão Sportback, e nos 28.032€ para a versão Allstreet.
Esta versão 30 TFSI nesta variante começa nos 31.000€, antes de somados os opcionais.

Configurar novo Audi A1 Allstreet

O Audi A1 é a porta de entrada para o mundo premium da Audi, sendo ideal para quem faz da cidade o seu principal caminho, e esta variante Allstreet atribui-lhe um cunho mais aventureiro, permitindo subir rampas e passeios sem grandes preocupações, sem perder a capacidade dinâmica característica do A1.

O único se não, por vezes, é o valor final, que em alguns casos pode ser prejudicado por uma extensa lista de opcionais, mas esse é o preço a pagar por se ter um modelo premium e exclusivo.

 

Leia também:

Mais artigos da mesma categoria

Novo Nissan Leaf. Saiba tudo sobre o renovado eléctrico da Nissan

Lançado pela primeira vez em 2010, a primeira versão do Leaf dominou durante largos anos o mercado dos carros elétricos. Agora renovado, o novo Nissan…

Lexus LC500h: conheça este GT de luxo!

Um Grand Tourer com quase 400cv capaz de fazer consumos mais baixos do que um diesel compacto. Não acredita?! Olhe que existe e é o…

Review Renault Clio (2017)

O Renault Clio é, desde 2012, o carro mais vendido em Portugal. Mas porquê? Qual será o segredo para tamanho sucesso? Tentamos explicar o porquê…

Review BWW Série 3 (2019)

Em 2019 foi apresentada a 7ª geração do BMW Série 3, um modelo com mais de 40 anos de história e um dos mais bem…
X

Quer receber as nossas comunicações por e-mail?

Email Marketing by E-goi

É proprietário de um Stand?

Crie uma Conta Profissional